06/01/2020 às 05h31min - Atualizada em 06/01/2020 às 05h31min

Ser corrupto no Brasil sempre foi uma maravilha; hoje não é mais

Há uma Lava Jato aí, e outros perigos além dela. Há o camburão “da Federal”, a cadeia, os milhões a serem gastos com advogados

J. R. GUZZO
METRÓPOLES


Não há nenhum grupo social no Brasil de hoje que esteja sofrendo tanto quanto os ladrões de dinheiro público. Claro: o verbo “sofrer”, aí, está sendo usado em sentido figurado, porque a vida com tornozeleira, ou a possibilidade de que a qualquer momento lhe ponham uma, é ainda muito melhor do que a do pobre diabo que trabalha feito um burro de carga, debaixo de sol ou chuva, ganha uma miséria e tem como principal objetivo chegar vivo ao fim de cada dia.

Mas o fato é que ser corrupto, no Brasil, sempre foi uma maravilha como opção existencial — era roubar e correr para o abraço. Hoje não é mais. Hoje está difícil, senão impossível, ter uma boa conversa num ministério, ou em lugares ainda mais altos, para acertar, digamos uma refinaria, uma hidrelétrica, um porto em Cuba ou um aeroporto em Moçambique.

Não há nenhum grupo social no Brasil de hoje que esteja sofrendo tanto quanto os ladrões de dinheiro público. Claro: o verbo “sofrer”, aí, está sendo usado em sentido figurado, porque a vida com tornozeleira, ou a possibilidade de que a qualquer momento lhe ponham uma, é ainda muito melhor do que a do pobre diabo que trabalha feito um burro de carga, debaixo de sol ou chuva, ganha uma miséria e tem como principal objetivo chegar vivo ao fim de cada dia.

Mas o fato é que ser corrupto, no Brasil, sempre foi uma maravilha como opção existencial — era roubar e correr para o abraço. Hoje não é mais. Hoje está difícil, senão impossível, ter uma boa conversa num ministério, ou em lugares ainda mais altos, para acertar, digamos uma refinaria, uma hidrelétrica, um porto em Cuba ou um aeroporto em Moçambique.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »