07/05/2020 às 07h56min - Atualizada em 07/05/2020 às 07h56min

Proporcionalmente, DF é 2º maior beneficiado com expansão do Bolsa Família

O número de famílias que fazem parte do programa social saltou de 13 milhões em março para 14,3 milhões em abril

Bolsa Família acrescentou em abril 1,3 milhão de beneficiários como uma forma de mitigar o impacto que a pandemia de coronavírus teve na economia do país. Roraima, Distrito Federal e São Paulo foram os principais favorecidos pela expansão. Agora, ao todo, 14,274 milhões de famílias estão inscritas no projeto social.
 

A concessão de bolsas no programa estava em declínio desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro, com uma redução de 1,2 milhão de beneficiários entre maio de 2019 e março deste ano. A crise causada pela Covid-19 estancou a queda nas inscrições do programa.

O aumento, contudo, não é suficiente para acabar a fila de 1,6 milhão de pessoas que esperavam para começar a receber o Bolsa Família em fevereiro deste ano. No início da gestão Bolsonaro, essa lista de espera estava zerada. Os dados são do Ministério da Cidadania e foram compilados e analisados pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles.

Por região

Quando a separação é feita por unidade da Federação, Roraima teve a maior expansão. O número de famílias recebendo o benefício passou de 43,3 mil em março para 52,2 mil em abril. Um avanço de 20,7% ou 8,9 mil pessoas.

O Distrito Federal vem em segundo lugar com um crescimento de 19,5% na quantidade de beneficiários, que saltaram de 70,4 mil para 84,1 mil. O DF era o local com a maior fila proporcional do Bolsa Família em fevereiro. Já São Paulo ficou na terceira colocação, com um avanço de 18,1% no total de inscritos no programa: saiu de 1,356 milhão para 1,601 milhão. Veja no gráfico a seguir os dados por UF:

Fila de espera

Apesar do forte avanço no aumento de benefícios em abril, ainda há pessoas na lista de espera do Bolsa Família. O estado que chegou mais perto de zerá-la foi Roraima: o acréscimo de 8,9 mil pessoas no programa representa 98,9% da fila — em fevereiro eram 9 mil pessoas aguardando.

 

Em seguida vem Rondônia, com 93,1% da fila contemplada, e Ceará, com 92,7%. O gráfico a seguir mostra a relação entre a quantidade de novos beneficiários e o tamanho da lista de espera em fevereiro deste ano:

Municípios

Florianópolis foi a capital com o maior crescimento de beneficiários, com um avanço de 54,3% entre março e abril. O município tinha 5.226 famílias recebendo a bolsa em março e 8.066 em abril. O prefeito da capital de Santa Catarina, Gean Loureiro é do DEM, partido do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni.

Em segundo lugar vem Boa Vista (RR), com um crescimento de 43,6% na quantidade de beneficiários. O terceiro lugar é de Campo Grande (MS), que teve uma alta de 35,65%.

Apesar da forte alta entre um mês e outro, nem todo município teve um crescimento na quantidade de inscritos no programa. Ao todo, 486 cidades registraram uma queda no número de beneficiários. Entre elas, apenas 34 não tinham a lista de espera em fevereiro deste ano. Outras 212 cidades permaneceram com o mesmo número de favorecidos entre março e abril. Delas, 42 tinham a fila zerada em fevereiro.

A maior cidade a perder inscritos no programa foi Mogi das Cruzes (SP), que tem uma população de 445,8 mil pessoas. Em fevereiro, a fila de espera para receber o Bolsa Família estava em 3,8 mil pessoas. Apesar disso, a quantidade de beneficiários passou de 24.001 pessoas em março para 23.995 pessoas em abril


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego