09/05/2020 às 07h04min - Atualizada em 09/05/2020 às 07h04min

Grupos que tramam contra a democracia são investigados em inquérito no STF

PGR investiga o financiamento a grupos como o "300 do Brasil", que organizam acampamentos em Brasília e ameaçam autoridades

METRÓPOLES
A Procuradoria-Geral da República (PGR) investiga, em inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o esquema de financiamento e a natureza dos atos promovidos por grupos que estão se formando em Brasília para pressionar instituições democráticas, como o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF).
 

Há alguns meses, é recorrente a realização de atos ao redor do Palácio do Planalto em apoio ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e em defesa de pautas antidemocráticas, como o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente participa desses atos geralmente da rampa do Palácio do Planalto.

A autorização para o inquérito partiu do ministro Alexandre de Moraes, que determinou a realização de diligências mantendo a investigação em sigilo. O inquérito foi aberto em 21 de abril, mas outros atos ocorreram desde então. Eles estão sendo monitorados pela investigação.

Moraes apontou que a Constituição não permite o financiamento e a propagação de ideias contrárias à ordem constitucional e ao Estado Democrático, nem tampouco a realização de manifestações visando ao rompimento do Estado de Direito.

 

Metrópoles mostrou na última quarta (06/05) que militantes estão se organizando em grupos como o 300 do Brasil para pressionar instituições, principalmente o Supremo e o Congresso. Em vídeo na manifestação investigada pelo Supremo, a influenciadora digital bolsonarista Sara Winter fala na presença de deputadas federais como Bia Kicis (PSL-DF) em mostrar “coercitivamente” aos ministros do Supremo que eles não são “semideuses”.

O grupo conseguiu arrecadar R$ 57 mil em uma vaquinha virtual para financiar sua manutenção. Os doadores são, em sua maioria, anônimos.

 

Outros militantes prometem uma invasão ao Supremo para acabar com a “patifaria”.

Os grupos estão organizando pequenos atos diários em defesa de Bolsonaro na região da Praça dos Três Poderes e devem estar presentes em manifestação marcada para este sábado (09/05) em Brasília.

1

A decisão de Moraes sobre a investigação sigilosa concluiu ser imprescindível a “verificação da existência de organizações e esquemas de financiamento de manifestações contra a Democracia e a divulgação em massa de mensagens atentatórias ao regime republicano, bem como as suas formas de gerenciamento, liderança, organização e propagação que visam lesar ou expor a perigo de lesão os Direitos Fundamentais, a independência dos Poderes instituídos e ao Estado Democrático de Direito, trazendo como consequência o nefasto manto do arbítrio e da ditadura.”

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego