25/05/2020 às 07h43min - Atualizada em 25/05/2020 às 07h43min

Entidades organizam campanhas do agasalho no DF; veja como ajudar

O frio se aproxima e muitos não têm estrutura para se abrigar nas baixas temperaturas. Com o objetivo de ajudar o próximo, entidades e instituições se mobilizam para agasalhar os mais necessitados

Sabe aquele moletom que não serve mais ou aquele cobertor que está há anos enfiado no fundo do guarda-roupa? Para alguns, eles podem não ter mais utilidade; para outros, farão toda a diferença. Com o inverno se aproximando, as manhãs e noites no Distrito Federal começam a esfriar e, enquanto muitos se escondem debaixo das cobertas, outros não têm nem um teto para se abrigar do vento gelado. Entidades instituições do DF se mobilizam em campanhas de agasalhos — um gesto de solidariedade que aquece o corpo e o coração de quem precisa de assistência.

 

 

Nas ruas, policiais militares do Distrito Federal têm contato com gente de todas as classes sociais. Vendo de perto o dia a dia de muitas famílias carentes, a PMDF lança anualmente a campanha do agasalho do órgão. Este ano, as arrecadações começaram em 7 de maio.  “A gente sabe a real situação das famílias. Nós nos deparamos com pessoas que passam por necessidades, ainda mais nesta época de pandemia. Tem muita gente precisando de ajuda”, ressalta o porta-voz da PMDF, major Michello Bueno.

 

Entre os donativos, a PMDF pede roupas — para adultos e crianças — casacos, meias, lençóis e cobertas. Os produtos podem ser entregues em qualquer batalhão da Polícia Militar. “Pedimos que as doações cheguem em um saco lacrado, com as roupas higienizadas. Vamos passar álcool na sacola e, depois, trazer para o comando-geral para serem distribuídos”, detalha. Os produtos são destinados a instituições de caridade e a famílias necessitadas. Michello afirma que os policiais nas ruas fazem entregas ao notarem alguém precisando.

 

Trabalho constante

 

Em Ceilândia, o grupo Coletivação também está arrecadando agasalhos. Os voluntários fazem um trabalho social, ajudando pessoas carentes há sete anos. Na época do frio, os agasalhos ganham força nos pedidos. “A política social ainda é muito falha. É muito importante a gente continuar ajudando, fazendo o nosso trabalho. Muitas pessoas passam por necessidade e esta é a época em que elas mais sofrem. O frio aí fora machuca”, destaca Valdemar Antônio da Silva, um dos representantes do projeto. Além da distribuição de roupas e cobertores, o Coletivação distribui sanduíches. Em média, são 60 lanches distribuídos todas as noites, segundo Valdemar. As doações podem ser entregues no Singelo Burger, em Taguatinga Norte.

 

As ações sociais se espalham pelo DF. O projeto BSB Invisível vem fazendo um árduo trabalho de assistência à população de rua – algo que tem se intensificado ainda mais neste período de pandemia. Os voluntários estão arrecadando também cobertores, lençóis, casacos, meias e roupas em geral. “Essa população é esquecida, é invisível para a sociedade. Quem está na rua sofre com o frio, sem contar a facilidade de adoecer neste período”, comenta Pedro Campos, cofundador do BSB Invisível. Para doar, é preciso enviar uma mensagem nas redes sociais do projeto. Os voluntários contam com pontos de entrega em diferentes regiões do DF. “Quem tiver um cobertor ou uma roupa antiga saiba que eles podem ser essenciais para alguém”, enfatiza. Pedro ainda pede que as roupas sejam devidamente higienizadas.

 

Arrecadação em casa

 

Durante a pandemia, muitos evitam sair de casa, porém isso não é motivo para deixar de ajudar. Alguns projeto fazem questão de ir até a casa dos colaboradores para buscar as doações, como a campanha do Instituto Dona Salomão. “A nossa campanha começou na primeira semana de maio. Estamos recolhendo na casa das pessoas para que elas não precisem sair”, ressalta a presidente do instituto, Maia Ben Toguchi.

 

Para Maia, as ações sociais precisam ser ainda mais fortalecidas durante a pandemia da covid-19. “Com o coronavírus, muitas pessoas estão desempregadas, há muitas famílias debaixo de viaduto, inclusive, recém-nascidos e grávidas. Além da pandemia, nós temos problemas internos de pessoas que não têm o que comer ou vestir”, lamenta. Além dos agasalhos, Maia está distribuindo sopa. Para isso, ela conta com a amiga Ivonete Chouas, parceira do instituto.

 

O projeto Abrace o Mundo também adaptou as arrecadações para aqueles que querem ajudar, mas não podem sair de casa. Os voluntários estão com um ponto de entrega na Igreja São José Operário, na Asa Norte, mas também estão disponíveis para buscar os donativos na casa dos colaboradores. Para o presidente do projeto, João Vitor Lemos, o apoio da população nas campanhas é fundamental, ainda mais neste período de isolamento social. “Muita gente na rua vivia da ajuda e, agora, muitos não têm mais como prestar auxílio. Porém, a situação fez surgir muitas iniciativas sociais. Isso é um ponto positivo”, analisa. João pede que os colaboradores lavem as roupas antes de doá-las. O grupo também está recebendo produtos de higiene, alimentos e doações financeiras.

 

Como ajudar

 

PMDF

• Entregas em todos os batalhões da PMDF

 

Coletivação

• Entregas no Singelo Burger

• CNJ Bloco C, Lote 17/18, Taguatinga Norte

 

Instituto Dona Salomão

• A equipe recolhe as doações. Basta entrar em contato pelo perfil @institutodonasalomao, no Instagram

 

BSB Invisível

• Confira os pontos de coleta no perfil @bsbinvisivel_, no Instagram

 

Abraçando o Mundo

• Entregas na Igreja São José Operário, na 604 Norte, terças e quintas, das 9h às 12h e das 13h às 16h, e sábado, das 9h às 12h.

• É possível ainda entrar em contato pelo perfil no Instagram: @abraceomundobrasilia

 

Outras iniciativas

 

Riacho Fundo Solidário

• Entregas na Administração Regional do Riacho Fundo I

• Retirada a domicílio pelo WhatsApp (61) 99354-8854

 

Pro-Bem

• Informações de pontos de coleta no perfil @probemsolidario


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego