01/08/2020 às 07h31min - Atualizada em 01/08/2020 às 07h31min

Em meio à maratona, Vicente Luque vê em vitória trampolim no UFC

Lutador será o representante de Brasília no card que ocorre neste sábado, em Las Vegas. Ele completará quatro lutas em 12 meses no UFC

Em um esporte de muito contato como o MMA, e atravessando uma pandemia, se manter em atividade é uma tarefa que poucos conseguem. Para Vicente Luque, porém, lutar parece não ser um problema. O brasiliense subirá no octógono mais famoso do planeta neste sábado (1/8) com a impressionante marca de ter atuado quatro vezes em um espaço de 12 meses. O adversário do 12º colocado do ranking dos pesos meio-médios será o norte-americano Randy Brown.
 

Apesar do momento conturbado que o mundo vive, Luque afirma que o treinamento, desta vez, não foi um problema. Em maio, quando ele enfrentou, e venceu, Niko Price, o risco de contágio ainda não era totalmente esclarecido, o que atrapalhou a preparação.

“A preparação para a luta do dia 9 de maio realmente foi bem difícil. Grande parte da preparação foi feita em casa, com meus treinadores falando comigo pelo celular. Não foi o treino ideal. Agora, eu consegui adaptar várias coisas. Meu preparador (físico) montou um estúdio em casa. Consegui treinar na casa dele, respeitando todas as medidas. Foi possível usar os equipamentos da academia, que foi algo que eu não tive para a outra luta. Para os treinos, meus companheiros, André Fischer e Stanlley Souza, estão ficando apenas em casa. A gente pagou do próprio bolso testes da Covid-19”, revela.

A luta deste sábado, aliás, é encarada como uma espécie de trampolim para Luque. Com retrospecto de 11 vitórias e apenas três derrotas dentro do UFC, o brasiliense, que fará o terceiro combate mais importante do evento, espera que um triunfo diante do norte-americano o coloque novamente em rota de colisão com adversários mais bem posicionados do que ele no ranking.

“Eu preciso ter uma vitória dominante. Ela me daria uma nova oportunidade para lutar com alguém do ranking. Eu gostaria de enfrentar alguém dentro do top 10”, projeta.

Baixa de conterrânea

Além de Vicente Luque, outra brasiliense, Viviane Araújo, representaria a capital federal no card do UFC deste sábado. Ela, porém, testou positivo para o novo coronavírus e precisou deixar o card.

Curiosamente, Viviane e Vicente são companheiros de treino na Cerrado MMA. Os dois trabalham com o mesmo preparador físico, mas apenas a lutadora se contaminou. A preocupação de ter sido infectado, entretanto, não passou pela cabeça do brasiliense.

“Estamos em um momento onde é muito difícil dizer de onde vem a contaminação. Ela, infelizmente, se contaminou e a gente não sabe como. Mas as medidas que a gente tomou serviram para que nenhum de nós também fosse contaminado. Logo que ela soube, ela se isolou e ficou em quarentena até se recuperar”, contou.

O canal Combate anuncia a transmissão em pay-per-view do UFC deste sábado a partir das 19h.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »