03/04/2017 às 18h43min - Atualizada em 03/04/2017 às 18h43min

Conheça quem criou a "Faixa de Pedestres no DF"

Centenas ou milhares de vidas foram salvas desde 1997, quando a faixa de pedestres passou a ser respeitada em Brasília.

Renato Riela
Por RENATO RIELLA/Politiquês - 03/04/2017 - 17:49:15
 

Sinto remorso quando morre alguém atropelado numa faixa do DF, porque tive importante participação na criação desse hábito de dar passagem ao pedestre.

No entanto, pensando bem, concluo que o saldo é muito positivo.

 

Centenas ou milhares de vidas foram salvas desde 1997 (vinte anos!), quando a faixa de pedestres passou a ser respeitada em Brasília.

 

É um costume civilizado, que não existe em praticamente nenhuma outra cidade brasileira. Estudei isso em Tóquio, na década de 80, numa viagem a convite do governo japonês. Na época, afirmei que nunca aconteceria no Brasil. Falta de fé!

 

Escrevo este texto para dar crédito aos principais personagens dessa luta, da qual participei intensamente. Todos vêm sendo esquecidos até pelo Correio Braziliense, jornal que liderou a campanha.

 

PESQUISA DO UNICEUB

 

Quem quiser saber tudo sobre o assunto basta consultar a tese de formatura da especialista em Comunicação Social do Uniceub, Josivânia Ferreira dos Santos, sob o título: “Placar da vida: Bastidores da prática de jornalismo público que mudou o trânsito no Distrito Federal”.

 

Esta tese enorme, de novembro de 2008, orientada pela professora Mônica Prado, é histórica e contou com minha colaboração.

 

RESUMO DA GRANDE LUTA

 

Vou resumir a história, destacando pessoas fundamentais.

 

Tudo começou em 1995/1996, quando a repórter do Correio Ana Júlia Pinheiro fez impactante série de reportagens mostrando como o trânsito matava em Brasília.

 

O diretor de redação da época, Ricardo Noblat, teve o mérito de encampar o assunto como campanha comunitária.

 

O então governador Cristovam Buarque também foi importante. Ele abriu, junto com o Correio, a campanha chamada de Paz no Trânsito, envolvendo as principais entidades brasilienses.

 

O secretário de Transportes do DF era o especialista Nazareno Afonso. Muito importante foi o comandante do Batalhão de Trânsito da PM, coronel Renato Azevedo.

 

O jornalista Ismar Cardona foi designado por Noblat para coordenar um Conselho de Paz no Trânsito, do qual fiz parte deste o início, como diretor-executivo do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac.

 

O diretor de marketing do Correio, publicitário Jorge Leite, era outro coordenador do grupo, trazendo o apoio da agência de publicidade D&M, com Paulinho Cabral, Paulo Sérgio e Ricardo Amado.

 

Coube ao desenhista Ricardo Melo, do Correio, fazer a maravilhosa marca da Paz no Trânsito, com a mão humana em destaque.

 

Houve outros participantes de destaque, como o presidente da CUT-DF, José Zunga, e o professor da UnB David Duarte Lima, entre muitos sindicalistas e acadêmicos.

 

 

GRANDE MARCHA EM 1996

 

O grande momento da campanha foi marcado para setembro de 1996. No Conselho, que se reunia dentro do Correio, a gente imaginava fazer uma marcha no Eixão, reunindo pelo menos três mil pessoas, num domingo, como um grito da população.

 

Fui escalado para ser o organizador dessa etapa. Brinquei, dizendo que em meus eventos nunca chovia (verdade!).

 

Dias antes, conseguimos o apoio da TV Globo, fundamental para levar multidões a qualquer promoção.

 

Graças a isso, Alexandre Garcia me acompanhou, nas vésperas da marcha, numa caminhada pelo Eixão, dia de semana.

 

Mostrei a ele que já tinha feito pela Fecomércio alguns eventos a pé ou de bicicleta, partindo da 109 Sul e indo até perto da Rodoviária. Um trecho de descida! Sugeri que fosse feito à tarde. Ele concordou e aprovamos essa proposta.

 

TODO MUNDO DE BRANCO

 

O Correio e a Globo fizeram campanha para que os brasilienses fossem, no domingo, dia 15 de setembro de 1996, a partir das 15 horas, ao Eixão Sul.

 

Todo mundo devia comparecer de branco. Foi incentivado que famílias levassem fotos de vítimas do trânsito.

 

Decidimos que nenhuma pessoa teria o nome citado, nunca, durante a marcha. Só citaríamos o apoio das dezenas de instituições participantes da campanha. E assim foi.

 

No domingo, montei o trio elétrico do Sindicato dos Rodoviários no meio do Eixão. Quem conseguiu isso pra mim foi o Zunga da CUT.

 

Escalei a presidente do Sindicato dos Professores, Lúcia Ivanov, braba pra caramba, para ficar sentada na escada do trio elétrico, não deixando ninguém subir.

 

Só podia aparecer em cima do trio elétrico uma pessoa: o animador Rogero Torquato, do SESC, lendo roteiro feito por mim, sem citar autoridades.

 

 

MUITAS PESSOAS IMPORTANTES

 

Começaram a chegar pessoas importantes, como o arcebispo Dom José Freire Falcão, o governador Cristovam Buarque, o presidente da Fecomércio, Sérgio Koffes, e muitos outros. Todos esses, democraticamente, fizeram o trajeto de mais de quatro quilômetros, no calor das 16h de um domingo.

 

De repente, Lúcia Ivanov me acena pedindo socorro. Corri ao trio elétrico. Ela estava quase se atracando com o deputado distrital Luiz Estevão, que queria participar do evento no alto do trio elétrico. Visibilidade total para qualquer político!

 

Enquadrei ele, dizendo: “Aqui não sobe nem minha mãe!” – e dei risada, claro, pois a intenção não era brigar. Luiz, atleta, fez o trajeto a pé.

 

Minutos depois, Lúcia me acena de novo. Lá vou eu, correndo. Dessa vez, o presidente dos Diários Associados, Paulo Cabral, queria subir também.

 

Disse a ele: “Se deixar o senhor subir, terei de chamar o Luis Estevão, que foi impedido por mim há poucos minutos”. E o chefão do Correio, embora meio velho, enfrentou o trajeto a pé.

 

MAIS DE 25 MIL PESSOAS

 

Na verdade, mais de 25 mil pessoas fizeram uma marcha emocionante, exigindo que Brasília reagisse contra as mortes no trânsito. Saiu até no Fantástico!

 

Me emocionei quando vi famílias inteiras com camisetas brancas, nas quais imprimiram fotos de parentes mortos pelos carros. Gente chorando, gente abraçada, gente cantando, gente amando… Gente com cartazes e mensagens de fé. Paz no Trânsito, já!

 

Andamos. Andamos. Vivemos.

 

Quando chegamos perto da Rodoviária, foi chamada a cantora brasiliense Célia Porto, que cantou o Hino Nacional junto com a imensa massa. Muita emoção!

 

Depois disso, o animador Torquato agradeceu fortemente as presenças. E encerrou a programação.

 

Todos voltamos para casa conscientes de que havíamos produzido um fato histórico em Brasília, de grande expressão nacional.

 

DECISÃO MUITO CORAJOSA

 

Nos meses seguintes, a campanha prosseguiu. Nas discussões, amadurecemos o sonho de implantar faixas de pedestre a serem respeitadas por todos – mas parecia impossível.

 

Até que o inesquecível coronel Renato Azevedo (recentemente falecido) nos comunicou: “Vamos finalmente exigir que os carros parem nas faixas”. Maluco de pedra!

 

Explicou que seriam colocados policiais militares em cada faixa, durante algum tempo. Será que dá certo?

 

A imprensa foi usada para incentivar os pedestres a acenar, pedindo passagem. E, milagrosamente, tudo isso foi pegando. Está pegando até hoje.

 

Acho que Deus deu uma ajudinha. Certamente! Mas o apoio de centenas de pessoas, em diversos momentos, foi fundamental. Infelizmente, não consigo lembrar de todo mundo.

 

Hoje, quando dou passagem a uma criança na faixa de pedestres, às vezes choro. Quem está ao meu lado nem entende – agora entende!

 

O impossível foi feito para nos tentar. 

 

 

Sinto remorso quando morre alguém atropelado numa faixa do DF, porque tive importante participação na criação desse hábito de dar passagem ao pedestre.

No entanto, pensando bem, concluo que o saldo é muito positivo.

 

Centenas ou milhares de vidas foram salvas desde 1997 (vinte anos!), quando a faixa de pedestres passou a ser respeitada em Brasília.

 

É um costume civilizado, que não existe em praticamente nenhuma outra cidade brasileira. Estudei isso em Tóquio, na década de 80, numa viagem a convite do governo japonês. Na época, afirmei que nunca aconteceria no Brasil. Falta de fé!

 

Escrevo este texto para dar crédito aos principais personagens dessa luta, da qual participei intensamente. Todos vêm sendo esquecidos até pelo Correio Braziliense, jornal que liderou a campanha.

 

PESQUISA DO UNICEUB

 

Quem quiser saber tudo sobre o assunto basta consultar a tese de formatura da especialista em Comunicação Social do Uniceub, Josivânia Ferreira dos Santos, sob o título: “Placar da vida: Bastidores da prática de jornalismo público que mudou o trânsito no Distrito Federal”.

 

Esta tese enorme, de novembro de 2008, orientada pela professora Mônica Prado, é histórica e contou com minha colaboração.

 

RESUMO DA GRANDE LUTA

 

Vou resumir a história, destacando pessoas fundamentais.

 

Tudo começou em 1995/1996, quando a repórter do Correio Ana Júlia Pinheiro fez impactante série de reportagens mostrando como o trânsito matava em Brasília.

 

O diretor de redação da época, Ricardo Noblat, teve o mérito de encampar o assunto como campanha comunitária.

 

O então governador Cristovam Buarque também foi importante. Ele abriu, junto com o Correio, a campanha chamada de Paz no Trânsito, envolvendo as principais entidades brasilienses.

 

O secretário de Transportes do DF era o especialista Nazareno Afonso. Muito importante foi o comandante do Batalhão de Trânsito da PM, coronel Renato Azevedo.

 

O jornalista Ismar Cardona foi designado por Noblat para coordenar um Conselho de Paz no Trânsito, do qual fiz parte deste o início, como diretor-executivo do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac.

 

O diretor de marketing do Correio, publicitário Jorge Leite, era outro coordenador do grupo, trazendo o apoio da agência de publicidade D&M, com Paulinho Cabral, Paulo Sérgio e Ricardo Amado.

 

Coube ao desenhista Ricardo Melo, do Correio, fazer a maravilhosa marca da Paz no Trânsito, com a mão humana em destaque.

 

Houve outros participantes de destaque, como o presidente da CUT-DF, José Zunga, e o professor da UnB David Duarte Lima, entre muitos sindicalistas e acadêmicos.

 

 

GRANDE MARCHA EM 1996

 

O grande momento da campanha foi marcado para setembro de 1996. No Conselho, que se reunia dentro do Correio, a gente imaginava fazer uma marcha no Eixão, reunindo pelo menos três mil pessoas, num domingo, como um grito da população.

 

Fui escalado para ser o organizador dessa etapa. Brinquei, dizendo que em meus eventos nunca chovia (verdade!).

 

Dias antes, conseguimos o apoio da TV Globo, fundamental para levar multidões a qualquer promoção.

 

Graças a isso, Alexandre Garcia me acompanhou, nas vésperas da marcha, numa caminhada pelo Eixão, dia de semana.

 

Mostrei a ele que já tinha feito pela Fecomércio alguns eventos a pé ou de bicicleta, partindo da 109 Sul e indo até perto da Rodoviária. Um trecho de descida! Sugeri que fosse feito à tarde. Ele concordou e aprovamos essa proposta.

 

TODO MUNDO DE BRANCO

 

O Correio e a Globo fizeram campanha para que os brasilienses fossem, no domingo, dia 15 de setembro de 1996, a partir das 15 horas, ao Eixão Sul.

 

Todo mundo devia comparecer de branco. Foi incentivado que famílias levassem fotos de vítimas do trânsito.

 

Decidimos que nenhuma pessoa teria o nome citado, nunca, durante a marcha. Só citaríamos o apoio das dezenas de instituições participantes da campanha. E assim foi.

 

No domingo, montei o trio elétrico do Sindicato dos Rodoviários no meio do Eixão. Quem conseguiu isso pra mim foi o Zunga da CUT.

 

Escalei a presidente do Sindicato dos Professores, Lúcia Ivanov, braba pra caramba, para ficar sentada na escada do trio elétrico, não deixando ninguém subir.

 

Só podia aparecer em cima do trio elétrico uma pessoa: o animador Rogero Torquato, do SESC, lendo roteiro feito por mim, sem citar autoridades.

 

 

MUITAS PESSOAS IMPORTANTES

 

Começaram a chegar pessoas importantes, como o arcebispo Dom José Freire Falcão, o governador Cristovam Buarque, o presidente da Fecomércio, Sérgio Koffes, e muitos outros. Todos esses, democraticamente, fizeram o trajeto de mais de quatro quilômetros, no calor das 16h de um domingo.

 

De repente, Lúcia Ivanov me acena pedindo socorro. Corri ao trio elétrico. Ela estava quase se atracando com o deputado distrital Luiz Estevão, que queria participar do evento no alto do trio elétrico. Visibilidade total para qualquer político!

 

Enquadrei ele, dizendo: “Aqui não sobe nem minha mãe!” – e dei risada, claro, pois a intenção não era brigar. Luiz, atleta, fez o trajeto a pé.

 

Minutos depois, Lúcia me acena de novo. Lá vou eu, correndo. Dessa vez, o presidente dos Diários Associados, Paulo Cabral, queria subir também.

 

Disse a ele: “Se deixar o senhor subir, terei de chamar o Luis Estevão, que foi impedido por mim há poucos minutos”. E o chefão do Correio, embora meio velho, enfrentou o trajeto a pé.

 

MAIS DE 25 MIL PESSOAS

 

Na verdade, mais de 25 mil pessoas fizeram uma marcha emocionante, exigindo que Brasília reagisse contra as mortes no trânsito. Saiu até no Fantástico!

 

Me emocionei quando vi famílias inteiras com camisetas brancas, nas quais imprimiram fotos de parentes mortos pelos carros. Gente chorando, gente abraçada, gente cantando, gente amando… Gente com cartazes e mensagens de fé. Paz no Trânsito, já!

 

Andamos. Andamos. Vivemos.

 

Quando chegamos perto da Rodoviária, foi chamada a cantora brasiliense Célia Porto, que cantou o Hino Nacional junto com a imensa massa. Muita emoção!

 

Depois disso, o animador Torquato agradeceu fortemente as presenças. E encerrou a programação.

 

Todos voltamos para casa conscientes de que havíamos produzido um fato histórico em Brasília, de grande expressão nacional.

 

DECISÃO MUITO CORAJOSA

 

Nos meses seguintes, a campanha prosseguiu. Nas discussões, amadurecemos o sonho de implantar faixas de pedestre a serem respeitadas por todos – mas parecia impossível.

 

Até que o inesquecível coronel Renato Azevedo (recentemente falecido) nos comunicou: “Vamos finalmente exigir que os carros parem nas faixas”. Maluco de pedra!

 

Explicou que seriam colocados policiais militares em cada faixa, durante algum tempo. Será que dá certo?

 

A imprensa foi usada para incentivar os pedestres a acenar, pedindo passagem. E, milagrosamente, tudo isso foi pegando. Está pegando até hoje.

 

Acho que Deus deu uma ajudinha. Certamente! Mas o apoio de centenas de pessoas, em diversos momentos, foi fundamental. Infelizmente, não consigo lembrar de todo mundo.

 

Hoje, quando dou passagem a uma criança na faixa de pedestres, às vezes choro. Quem está ao meu lado nem entende – agora entende!

 

O impossível foi feito para nos tentar. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego