22/01/2021 às 05h33min - Atualizada em 22/01/2021 às 05h33min

Exclusivo: lancha envolvida em acidente que matou 4 em Angra está com registro vencido

Entre os mortos, há uma criança de 11 anos. Mais três mulheres da mesma família morreram. Polícia e Marinha investigam o caso

Rio de Janeiro – Uma das lanchas envolvidas em acidente que deixou quatro mortos, entre eles uma criança de 11 anos, e quatro feridos no último dia 16, em Angra dos Reis, Região da Costa Verde do Rio de Janeiro, navegava de forma irregular. A Imensidão Azul estava com o Título de Inscrição de Embarcação vencido há mais de três anos. O documento, que informam a data de validade até 21 de junho de 2017.

As quatro pessoas que morreram estavam na Imensidão Azul.

De acordo com o Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar (Ripeam), da Marinha do Brasil, a cada cinco anos a documentação tem que ser renovada para que seja realizada a vistoria dos itens de segurança, como extintores de incêndio e salva-vidas.

Em nota, a Marinha informou que a Delegacia da Capitania dos Portos em Angra dos Reis (DelAReis) instaurou um inquérito. Um dos condutores foi ouvido e outras testemunhas convocadas para prestar depoimento. Alegou ainda que iniciou a Operação Verão em dezembro, com ações de fiscalização que abordaram 1.641 embarcações, das quais 63 foram notificadas, e três, apreendidas. A proprietária da Imensidão Azul não foi localizada.

O caso foi registrado como homicídio culposo (sem a intenção de matar) na 166ª DP (Angra dos Reis). Responsável pela investigação criminal, o delegado titular da 166ª DP, Vilson de Almeida Silva, informou que aguarda ainda o relatório da Capitania dos Portos. “O que importa para a polícia é a responsabilidade penal para o crime de homicídio culposo, como, por exemplo, saber quem deu causa e se os equipamentos de navegação estavam de acordo com as normas. As lanchas foram periciadas e os laudos devem sair em 30 dias”, explicou.

Segundo ele, só os condutores foram ouvidos até agora. “Muitas pessoas ainda estão traumatizadas, e, por isso, ainda vamos chamar para prestar depoimento. Nosso objetivo é saber se houve imprudência, negligência ou imperícia”, esclareceu.

A Marinha informou ainda que denúncias de irregularidades podem ser feitas pelo telefone (24) 3365-3355 e pelo e-mail delareis.ouvidoria@marinha.mil.br.

As vítimas

Três dos mortos são da mesma família: Maria Cândida Gondim Pinheiro, de 57 anos; a filha, Tatiana Gondim Pinheiro, de 43 anos; e a filha de Tatiana, Luiza Pinheiro, de 11 anos. A quarta vítima é Vania Maria Edde, de 63 anos, amiga da família que estava na mesma embarcação.

Quatro pessoas ficaram feridas. José Carlos Gondim Pinheiro, de 67 anos, sofreu ferimentos leves, sem necessidade de ser medicado em hospital. Para o Hospital do Frade foram levados Carlos A. Meireles, de 72 anos; Tomas P. Machado, de 29; e Luiz Lobão, de 42 anos e depois liberados.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »