16/02/2021 às 17h43min - Atualizada em 16/02/2021 às 17h43min

Casal executado no DF acumulava diversos antecedentes criminais

Polícia suspeita de que o homem integrava uma facção criminosa e que o assassinato foi resultado de um acerto de contas entre grupos rivais

O casal Thiago Duarte Neto, 24 anos, e Talita Souza Mendonça, 23, executado a tiros dentro do carro, no Riacho Fundo 2, acumulava uma série de antecedentes criminais. Os dois morreram assassinados em uma emboscada nessa segunda-feira (15/2).

Ambos nasceram em Goiás e viviam em um prédio da QN 16 do Riacho Fundo há cerca de quatro meses. A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) suspeita que a execução seja resultado de um acerto de contas. Segundo a perícia no local, os autores disparam, aproximadamente, 20 vezes contra o veículo do casal.

“Eles chegavam em casa e estavam sendo seguidos por um carro. Os autores desceram do veículo e atiraram nos dois”, descreveu o delegado Marcelo Guerra, da equipe de Preservação de Local de Crimes Violentos da PCDF.

De acordo com as primeiras apurações, a arma usada no duplo homicídio é uma pistola calibre 9mm. Conforme o delegado Marcelo Guerra, existe a suspeita de que os supostos três autores do crime tenham ligação com o grupo criminoso Comboio do Cão, que atua no DF.

“Acreditamos que sim, pelo jeito que os tiros foram disparados, de rajada (disparos em sequência). Essa é a marca do Comboio do Cão”, informou o policial.

“Pode ser acerto de contas entre facções rivais. Há informações preliminares de que a vítima do sexo masculino integrava uma facção rival (o Comando Vermelho). Mas, como as investigações estão em andamento, só no fim poderemos precisar os motivos e como ocorreu o crime”, afirmou Marcelo.

Conforme a Polícia Civil do Goiás (PCGO), Thiago foi indiciado por roubo qualificado, em um inquérito de 2013, em Goiânia; por roubo qualificado cometido em 2015, em Senador Canedo (GO); e por associação ao tráfico de drogas, tráfico de drogas e falta de Carteira Nacional de Habilitação (CNH), em inquérito de 2016, em Goiânia. Policiais também o prenderam em flagrante pelo menos três vezes.

Talita foi indiciada em 2016, na 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Goiânia, por lesão corporal dolosa e injúria.

A investigação da morte dos dois está sob responsabilidade da 29ª Delegacia de Polícia (Riacho Fundo).

Cachorrinho baleado

O cão de estimação de Thiago e Talita deve passar por uma cirurgia na mandíbula ainda nesta terça-feira (16/2). Identificado como Thor, o cachorrinho da raça shih-tzu acabou baleado durante o crime. Ele estava no colo da mulher no momento da execução e sobreviveu aos ferimentos.

 

Policiais militares que atenderam a ocorrência recolheram doações para arcar com os custos do procedimento, uma vez que a cirurgia custa R$ 1.750. Responsável pela campanha iniciada na tarde de segunda (15/2), a soldado Alessandra Rodrigues da PMDF informou ao Metrópoles que, até o momento, o valor arrecadado é de R$ 10,5 mil.

“Vamos usar o dinheiro para custear todo o tratamento dele, porque vai precisar de mais remédios, e, talvez, de outras cirurgias. Se sobrar algum valor, vamos destinar para uma ONG que trabalhe no resgate de animais”, destacou a soldado.

A prestação de contas inclui: R$ 1.750 para a primeira cirurgia em clínica do Riacho Fundo 2; R$ 150 em exames de imagem; e R$ 95 para alimentação especial por sonda.

Veja a prestação de contas:
<span class="m-counter-carousel" data-total="2" style="box-sizing: inherit; font-style: inherit; font-weight: inherit; transition: opacity 0.8s ease 0s; font-family: Merriweather-Heavy, Arial, Helvetica, sans-serif; line-height: 1; color: rgb(216, 0, 39); padding-left: 20px; background: url(" data:image="" svg+xml;base64,pd94bwwgdmvyc2lvbj0ims4wiiblbmnvzgluzz0ivvrgltgipz4ncjxzdmcgd2lkdgg9ije2chgiighlawdodd0imtnwecigdmlld0jved0imcawide2ideziib2zxjzaw9upsixljeiihhtbg5zpsjodhrwoi8vd3d3lnczlm9yzy8ymdawl3n2zyigeg1sbnm6egxpbms9imh0dha6ly93d3cudzmub3jnlze5otkvegxpbmsipg0kicagidwhls0gr2vuzxjhdg9yoibza2v0y2h0b29sidq5ljmgkduxmty3ksatigh0dha6ly93d3cuym9ozw1pyw5jb2rpbmcuy29tl3nrzxrjacatlt4nciagica8dgl0bgu+ntm4odkyntatrtbdri00qjrdlthbmeqtnefdnzu2muqxneq3pc90axrszt4nciagica8zgvzyz5dcmvhdgvkihdpdgggc2tldgnodg9vbc48l2rlc2m+dqogicagpgrlznm+pc9kzwzzpg0kicagidxniglkpsjhywxlcmlhiibzdhjva2u9im5vbmuiihn0cm9rzs13awr0ad0imsigzmlsbd0ibm9uzsigzmlsbc1ydwxlpsjldmvub2rkij4nciagicagicagpgcgawq9imfzc2v0cy9kzxnrdg9wl2dsb2jhaxmvz2fszxjpys82mdavywjlcnrhiib0cmfuc2zvcm09inryyw5zbgf0zsgwljawmdawmcwgltiyljawmdawmckiigzpbgw9iineodawmjciigzpbgwtcnvszt0ibm9uemvybyi+dqogicagicagicagica8zybpzd0ir2fszxjpys1mdwxsltywmhb4ls0trgvza3rvcci+dqogicagicagicagicagicagpgcgawq9ilrpue8ipg0kicagicagicagicagicagicagica8zybpzd0iy29udgfkb3iiihryyw5zzm9ybt0idhjhbnnsyxrlkdaumdawmdawlcaymc4wmdawmdapij4nciagicagicagicagicagicagicagicagidxwyxroigq9ik04ldyunze0mjg1nzegqzyunjc0ncw2ljcxndi4ntcxiduuniw3ljc2otk3mtqziduuniw5lja3mtqyodu3iem1ljysmtaumzczmzu3msa2ljy3ndqsmteundi4ntcxnca4ldexljqyodu3mtqgqzkumzi1mjgsmteundi4ntcxncaxmc40ldewljm3mzm1nzegmtauncw5lja3mtqyodu3iemxmc40ldcunzy5otcxndmgos4zmjuyocw2ljcxndi4ntcxidgsni43mtqyodu3msbaie0xnc40ldqumzu3mtqyodygtdeyljq4ldqumzu3mtqyodygqzeyljixniw0ljm1nze0mjg2idexljkzmtuyldqumtu2idexljg0ode2ldmuota5ote0mjkgtdexljm1mtg0ldiundq3mdcxndmgqzexlji2ode2ldiumjaxmtqyodygmtauotg0ldigmtaunzismibmns4yocwyiem1ljaxniwyidqunzmxntismi4ymdexndi4nia0ljy0ode2ldiundq3mji4ntcgtdqumtuxodqsmy45mtawnze0mybdnc4wnjgxniw0lje1niazljc4ncw0ljm1nze0mjg2idmuntisnc4zntcxndi4nibmms42ldqumzu3mtqyodygqzaunzisnc4zntcxndi4niawlduumdy0mjg1nzegmcw1ljkyodu3mtqziewwldeziemwldezljg2ndi4ntcgmc43miwxnc41nze0mjg2ideuniwxnc41nze0mjg2iewxnc40lde0lju3mtqyodygqze1lji4lde0lju3mtqyodygmtysmtmuody0mjg1nyaxniwxmybmmtysns45mjg1nze0mybdmtysns4wnjqyodu3msaxns4yocw0ljm1nze0mjg2ide0ljqsnc4zntcxndi4nibaie04ldeziem1ljc5mdg4ldezidqsmteumjqxmsa0ldkumdcxndi4ntcgqzqsni45mde5mtqyosa1ljc5mdg4lduumtqyodu3mtqgocw1lje0mjg1nze0iemxmc4ymdg4lduumtqyodu3mtqgmtisni45mde5mtqyosaxmiw5lja3mtqyodu3iemxmiwxms4yndexidewljiwodgsmtmgocwxmybaie0xmy44ncw3ljaynzq3mtqziemxmy41mza4ocw3ljaynzq3mtqzidezlji4ldyunzgxmzg1nzegmtmumjgsni40nzc0nze0mybdmtmumjgsni4xnzm4nze0myaxmy41mza4ocw1ljkynzq3mtqzidezljg0lduuoti3ndcxndmgqze0lje0otq0lduuoti3ndcxndmgmtquncw2lje3mzg3mtqzide0ljqsni40nzc0nze0mybdmtquncw2ljc4mtm4ntcxide0lje0oti4ldcumdi3ndcxndmgmtmuodqsny4wmjc0nze0mybaiibpzd0iu2hhcguipjwvcgf0ad4nciagicagicagicagicagicagicagpc9npg0kicagicagicagicagicagidwvzz4nciagicagicagicagidwvzz4nciagicagicagpc9npg0kicagidwvzz4ncjwvc3znpg="=&quot;)" 0px="" center="" no-repeat;="" position:="" absolute;="" top:="" 0px;="" right:="" z-index:="" 1;"="">1

“Estamos em contato com o veterinário, e o Thor está bem. Provavelmente, ainda deve precisar de mais duas cirurgias. Estamos aguardando a redução do edema para realizar o procedimento com segurança. Teve uma evolução boa, parou de cuspir sangue durante a madrugada, e o veterinário que fez a avaliação da radiografia disse que o quadro é menos grave do que o esperado. Vai dar tudo certo”, comemorou Alessandra.

A ideia, segundo a soldado, é adotá-lo após a completa recuperação. “Preferencialmente, será para a família da vítima, tendo em vista que ele faz parte do patrimônio dela, mas, caso eles não se responsabilizem, faremos a adoção. Ele terá sequelas físicas e psicológicas do ocorrido, então, o adotante tem de estar ciente de que ele é um cachorro que necessitará de cuidados especiais durante toda a vida”, declarou.

Colabore

Quem puder e ainda quiser ajudar pode doar qualquer valor pelo PIX:

028.221.921-89

Alessandra Rodrigues Batista

052.225.721-61

Lizandra França de Souza Silva

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »