21/10/2018 às 07h02min - Atualizada em 21/10/2018 às 07h02min

Crime da 113 Sul: ex-delegada Martha Vargas é presa 6 meses após condenação em 2ª instância

Investigadora usou vidente em investigação e planou provas, segundo Justiça. Em julho, ela perdeu aposentadoria.

Por Diego Moraes, TV Globo
G1 DF.

A ex-delegada Martha Vargas foi presa, na tarde deste sábado (20), pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil do Distrito Federal. Ela foi condenada em segunda instância a 16 anos de prisão em regime fechado pela má condução das investigações do caso que ficou conhecido como "crime da 113 Sul".

A Justiça entendeu que Vargas cometeu falsidade ideológica, fraude processual, tortura e violação de sigilo funcional durante a apuração do caso.

A Polícia Civil do DF informou que a corregedoria "cuidará de todos os procedimentos e, em seguida, ela será encaminhada à Carceragem do DPE [Departamento de Polícia Especializada], onde ficará à disposição da Justiça".

O advogado dela, Paulo Suzano, afirmou que vai "encaminhar algumas ações com bom lastro jurídico" no decorrer da semana para tentar reverter a prisão. "Tenho convicção de que vamos conseguir restabelecer a liberdade da Martha Vargas", disse.

Na segunda-feira (15), o juiz Nelson Ferreira Junior, da 6ª Vara Criminal de Brasília, pediu que a pena começasse a ser executada. O mandado de prisão foi expedido na sexta-feira (19) pela juíza da Vara de Execuções Penais, Leila Cury.

Em junho, Vargas apresentou recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para tentar reverter a sentença. O julgamento, porém, ainda não ocorreu.

 

Sem aposentadoria

 

No mês seguinte, a aposentadoria dela foi cassada pelo governo do Distrito Federal. O processo interno contra a ex-delegada corria desde 2012. A decisão foi fundamentada em quatro leis federais. O governo considerou que ela cometeu três transgressões disciplinares:

 

  • Transferir a responsabilidade da investigação a uma pessoa fora da repartição;
  • Maltratar preso ou usar de violência desnecessária no exercício da função policial;
  • Prevalecer-se, abusivamente, da condição de funcionário policial.

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
--:--/--:--
 
 
 
 
 

Entenda o crime da 113 Sul

Crime da 113 Sul

 

O ex-ministro do TSE José Guilherme Villela, a mulher dele e a empregada da família foram encontrados mortos com 78 facadas no dia 31 de agosto de 2009. O caso ficou conhecido como “o crime da 113 Sul”, em referência ao endereço onde a família morava.

Os corpos foram encontrados em estado de decomposição. Uma neta do casal afirmou à polícia que os avós não tinham aparecido desde a sexta-feira anterior à descoberta dos corpos ao escritório de advocacia que Villela mantinha em Brasília.

Mineiro da cidade de Manhuaçu, Villela tinha 73 anos. Chegou a Brasília nos anos 60. Atuou como procurador do Tribunal de Contas do Distrito Federal e, na década de 80, como ministro do TSE. Como advogado, atuou no caso Collor, em 1992, e, mais recentemente, no processo do mensalão, a partir de 2005.

Os três homens acusados do homicídio foram condenados a mais de 55 anos de prisão. Já Adriana Villela, filha do casal, aguarda em liberdade, oito anos após o crime.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego