28/02/2019 às 17h48min - Atualizada em 28/02/2019 às 17h48min

“Muitos ruídos”, diz Moro sobre resistência a pacote anticrime

Deputados impuseram condições para aprovação do projeto na Câmara: para ministro, pode haver ajustes, mas teor deve ser preservado

METRÓPOLES

Em reunião do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (CNPG) na tarde desta quinta-feira (28/2), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, falou sobre a tramitação do chamado pacote anticrime no Congresso Nacional. Segundo o ministro, ainda há “muitos ruídos” quanto às medidas por ele sugeridas para endurecer o combate à corrupção e ao crime organizado no país.

Os projetos, contudo, têm enfrentado resistência dos deputados federais: os parlamentares vêm impondo condições à aprovação da proposta formulada pela equipe de Moro. 

 

“Ainda tem muitos ruídos. Alguém fala alguma coisa, que só vai aprovar se aprovar não sei o quê. É uma fase muito preliminar”, disse o ministro. “Vamos ficar atentos à tramitação do projeto. Certamente, ele pode sofrer mudanças, seja agregando coisas, seja retirando. Faz parte do trabalho do Parlamento. Mas vocês podem ter certeza do nosso empenho para tentar aprovar o mais próximo do que foi apresentado”, garantiu.

Moro pediu a colaboração de procuradores e promotores que tenham afinidade com parlamentares para a aprovação do pacote anticrime, apesar de reconhecer que a instituição não tem a simpatia dos políticos. “Infelizmente, o Ministério Público não é a categoria mais popular lá no Congresso”, declarou o ministro, arrancando riso dos presentes. 

 

Sergio Moro foi convidado para o evento a pedido do procurador-geral do Ministério Público de Goiás e presidente do CNPG, Benedito Torres Neto, para discutir a pauta do “plea bargain”. O dispositivo está presente no pacote entregue na Câmara e permite a negociação entre advogados das partes diretamente com o promotor de Justiça, depois da denúncia, a fim de firmar termos de colaboração em troca de redução de penas.

Outra possibilidade é a de não persecução para crimes cometidos que tenham até quatro anos de pena prevista. “Para isso, deve haver uma legislação sustentada na verdade e numa lei aprovada no Congresso Nacional. Nos Estados Unidos, de 90% a 95% dos casos do plea bargain são resolvidos de forma quase que instantânea. Fico muito feliz por estar sendo anotado isso na reforma do Código Penal”, declarou Benedito Torres Neto.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »