25/02/2017 às 07h20min - Atualizada em 25/02/2017 às 07h20min

Novo ministro da Justiça quer Lava Jato escancarada

Notibras

O deputado Osmar Serraglio, do PMDB paranaense, foi confirmado nesta quinta, 23, como novo ministro da Justiça. Tido como um liberal entre a bancada do partido, o futuro ocupante da cadeira que pertenceu até à semana passada a Alexandre de Moraes é favorável à abertura total dos sigilos da Lava Jato. Na opinião de Serraglio, delação não teve ficar fechada a sete chaves.

“Tem que abrir o sigilo. Quando você abre as janelas da colaboração, facilita a investigação”, afirmou Serraglio, que preside a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, posto ao qual chegou no início de 2016 por indicação do então presidente da Casa, o hoje deputado cassado e preso pela Lava Jato Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
 

Serraglio deu a declaração sobre a Lava Jato há poucos dias, ao comentar a escolha do ministro Edson Fachin como substituto do ex-ministro Teori Zavascki na relatoria dos processos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Teori morreu no último dia 19 de janeiro em acidente aéreo em Paraty, litoral do Rio de Janeiro.

Na ocasião, Serraglio disse não ver nenhum risco para a Lava Jato após a morte de Teori e elogiou a escolha de Fachin para a relatoria. “Ninguém segura a Lava Jato”, disse o deputado, que foi relator da CPI dos Correios na Câmara, que investigou a compra de apoio de parlamentares ao governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Serraglio tem 68 anos e está no quinto mandato de deputado federal consecutivo. Ele é formado em Direito em Curitiba (PR) e tem mestrado na área pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). No curso, feito entre 1984 e 1986, foi aluno do presidente Michel Temer (PMDB) e colega de Fachin.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego