14/09/2020 às 08h03min - Atualizada em 14/09/2020 às 08h03min

Fome será o nosso próximo grande desafio

Fome, a próxima pandemia. A crise da covid-19 pode fazer com que a pobreza extrema volte a atingir mais de 1 bilhão de pessoas, alerta estudo do Banco Mundial. Isso porque milhões de pessoas vivem somente um pouco acima da linha da pobreza.

Hylda Cavalcanti
redacao@grupojbr.com

“Pobre é aquele que tem somente o que comer; miserável é aquele que nada tem para comer”. A frase famosa, de Dom Hélder Câmara, nos anos 70, mostra uma realidade que pode ser ampliada em proporções catastróficas: o aumento da fome em escala planetária. As preocupações com os índices de pobreza e extrema pobreza têm sido objeto constante de estudo por parte de governos e instituições de pesquisa diante de tantos prognósticos negativos.
Cientistas diversos já avaliam mudanças nos parâmetros de índices sociais de vulnerabilidade e desigualdade com alertas para a importância de serem criadas políticas públicas que possam conter esse mal ainda mais avassalador do que a pandemia da covid-19. Durante esta semana, o Jornal de Brasília apresentará uma série de reportagens, baseadas em seis estudos elaborados nos últimos três meses pelas mais diversas entidades para mostrar como pensam e o que acham os especialistas sobre o assunto. O material está publicado na editoria de Cidades porque partirá dos dados globais dos estudos para depois descer ao drama vivido no Distrito Federal.
 
Um dos primeiros trabalhos foi o relatório da Oxfam Brasil, de junho passado. Segundo este documento, até 12 mil pessoas podem morrer de fome por dia no mundo este ano, devido à pandemia. O trabalho coloca o Brasil entre os prováveis epicentros globais da fome, juntamente com Índia e África do Sul. Intitulado “O Vírus da Fome: Como o coronavírus está potencializando a fome em um mundo faminto”, a entidade constata que 122 milhões de pessoas podem ser levadas à beira da fome até dezembro. Para a gerente de Programas e Campanhas da Oxfam Brasil, Maitê Guato, o Brasil conseguiu, em 2014, uma grande conquista que foi sair do mapa da fome da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Mas caso não sejam tomadas medidas urgentes, esse índice tende a retroceder. “Os riscos são imensos, caso o Estado não atue de forma eficiente”, alertou ela.
Isto porque, apesar do auxílio emergencial do governo, aprovado pelo Congresso, o estudo constatou que até junho só 10% desse auxílio chegou aos trabalhadores. E até julho, só 47,9% dos
recursos destinados ao auxílio foi distribuído. Da mesma forma, as grandes empresas obtiveram mais benefícios do quem as micro e pequenas, o que aumenta ainda mais o índice de desigualdade até o final do primeiro semestre.
“A covid é a última gota para milhões de pessoas que já lutam todos os dias com conflitos armados, mudanças climáticas, desigualdades e um sistema viciado de produção de alimentos”, disse a diretora executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia.
Um segundo alerta foi feito pelas Nações Unidas, que também lançou relatório no mesmo período. Nesse estudo, o secretário-geral da entidade, António Guterres ressaltou que as medidas  dotadas contra a doença e a recessão global emergente podem perturbar o funcionamento dos sistemas alimentares e precisam de uma ação imediata.
“Corremos o risco de assistir a uma emergência alimentar global – com impactos em longo prazo em centenas de milhões de crianças e adultos”, destaca Guterrez. De acordo com esse documento,
com o funcionamento dos sistemas alimentares em risco, o número de pessoas expostas a uma grave insegurança alimentar e nutricional vai crescer rapidamente. “A queda de um ponto percentual no Produto Interno Bruto global significa mais 700 mil crianças raquíticas”, explicou o secretário-geral.
Conforme a avaliação feita pelos técnicos da ONU, mesmo nos países com abundância de alimentos há riscos de interrupções na cadeia de abastecimento alimentar, porque muitas pessoas já viviam uma crise alimentar antes da pandemia.
“Há alimentos mais do que suficientes no mundo para alimentar a nossa população de 7,8 bilhões de pessoas. Mas, hoje, mais de 820 milhões de pessoas passam fome e cerca de 144 milhões de crianças com menos de 5 anos são raquíticas, mais do que uma em cada 5 crianças em todo o mundo”, explicou ele.

83 milhões de miseráveis na América Latina e Caribe

Quando se sai da fome e se passa a calcular a extrema pobreza como um todo, a estimativa da ONU para América Latina e Caribe é de que mais de 83 milhões de pessoas passem a viver nesta condição ainda este ano. Os dados são de um terceiro relatório, desta vez elaborado pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).
Intitulado “Como evitar que a crise da covid-19 se transforme em uma crise alimentar: Ações urgentes contra a fome na América Latina e no Caribe”, o trabalho denuncia o crescimento  significativo dos níveis de fome na região como consequência imediata. O estudo constata que, após sete anos de crescimento lento, de acordo com os órgãos internacionais, a região da América Latina e Caribe poderá ter a maior queda do Produto Interno Bruto (PIB) regional em um século, chegando a – 5,3%.
 
“A situação econômica do continente já estava fragilizada nos últimos anos e esse processo terminou sendo agravado pela covid-19”, disse o diretor do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU no Brasil. Daniel Balaban. O recado dado pelos técnicos neste documento é a necessidade de os governos tomarem medidas muito mais drásticas e muito mais sustentáveis daqui por diante.
Uma outra orientação feita pela Cepal e pela FAO contra a extrema pobreza na América Latina e no Caribe é para que, além de programas emergenciais, os governos também incluam o que chamam de “bônus contra a fome”, um programa formado pela distribuição de cestas básicas para a alimentação das famílias.
Os especialistas destacam, dentre as medidas que podem amenizar o problema, a criação e manutenção de um programa de renda básica emergencial, a adoção de medidas de equilíbrio fiscal, reforço a programas de alimentação escolar (como forma de garantir alimentação de crianças e adolescentes), iniciativas de crédito e subsídios para a agricultura familiar. Daniel Balaban alertou ainda para o fato de que “sem o apoio do Estado, nenhum país do mundo conseguirá contornar essa crise”.


 

A precariedade vivida por pessoas como Ana Lúcia da Silva é ainda agravada pela falta de acesso a tecnologias. Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília

Governo precisará intervir

Também um estudo do Banco Mundial ressalta que os cenários de contração econômica e aumento da pobreza serão determinados pelas medidas que os governos estão adotando, pela duração da crise, pelo choque específico de renda em cada país e como esse choque está impactando nos diferentes setores.
A crise da covid-19 pode fazer com que a pobreza extrema volte a atingir mais de 1 bilhão de pessoas, alerta o estudo do Banco Mundial.
Isso porque milhões de pessoas vivem somente um pouco acima da linha da pobreza.
“Essa população já vive normalmente uma situação precária e qualquer choque econômico pode levá-las de volta à pobreza”, afirmou o professor de Desenvolvimento Internacional da King’s College, Andy Sumner , um dos autores do estudo.

Impactos conjuntos

Em relação ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a mudança de parâmetros será observada pela primeira vez, porque, apesar das várias crises econômicas, esta é a primeira vez que haverá impacto conjunto em saúde, educação e renda, explicou o técnico do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Achim Steiner.
“O mundo passou por muitas crises nos últimos 30 anos, incluindo a crise financeira global de 2007 a 2009. Cada uma delas afetou fortemente o desenvolvimento humano, mas, em geral, os ganhos de desenvolvimento foram  acumulados globalmente ano a ano. Desta vez, esses ganhos não serão vistos”, destacou.

Para Steiner, a crise mostra que, se o conjunto de ferramentas de políticas não levar em conta a redução das desigualdades, muitas pessoas ficarão ainda mais para trás.
O que o pesquisador alerta é que os avanços tecnológicos também estão provocando fossos de desigualdade. “Isso é particularmente importante para as ‘novas necessidades’ do século 21, como o acesso à internet, que está ajudando na educação a distância, telemedicina e trabalho remoto”, frisou também o diretor do Escritório do Relatório de Desenvolvimento Humano do Pnud, Pedro Conceição.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »