02/05/2022 às 11h29min - Atualizada em 02/05/2022 às 11h29min

Hospital de Santa Maria inaugura serviço de fisioterapia 24 horas no Centro Obstétrico

Esse é o primeiro hospital público do DF a ofertar o serviço ininterrupto para atender gestantes que chegam pela emergência

imprensa@igesdf.org.br
Foto: Davidyson Damasceno

Referência em partos de alto risco, o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) deu início, neste domingo (1/5), a oferta de fisioterapia 24 horas, diariamente, para as gestantes no Centro Obstétrico (CO). O atendimento já era realizado, porém, de segunda a sábado, apenas no período diurno. Com a ampliação, a ideia é fortalecer o cuidado com a mulher no pré-parto e pós-parto, estimular o parto natural, bem como humanizar o atendimento com aplicação de técnicas que trazem conforto.  
 
Para tornar o atendimento ininterrupto, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF), que administra o HRSM, convocou quatro fisioterapeutas para atuar no serviço. Assim, o HRSM passou a ser o primeiro hospital da rede pública de saúde do Distrito Federal a oferecer a terapia de forma ininterrupta às gestantes.  
 
Uma das pacientes atendidas pelo serviço no CO do HRSM, a moradora de Luziânia, Andressa Rejany da Silva Souza, 26 anos, conta como se sentiu durante a terapia feita no pré-parto no dia 24 de fevereiro, quando entrou em trabalho de parto para dar a luz ao Henrique da Silva.  
 
“Uma fisioterapeuta chegou dizendo que iria me ajudar, passou óleo mineral no meu corpo, fazendo massagem para reduzir a dor da contração e me ensinando posições para dilatar mais rápido. Ela passou essência de lavanda no meu nariz para eu ficar mais relaxada. Gostei muito, me senti muito bem tratada e eu recomendo muito para todo mundo”, disse.  
 
Rejany também se lembra do estímulo emocional que recebeu da profissional. “Ela me incentivou a ter forças e a não desanimar. Eu tinha que fazer muita força e ela me ajudou. Eu me surpreendi muito, porque não imaginei ter um tratamento assim em um hospital público”, revelou a paciente, que recebeu alta no dia seguinte.  
 
Paula Sandra dos Santos Oliveira, 39 anos, também contou com a ajuda das fisioterapeutas antes do nascimento do nono filho no dia 21 de março. Davi dos Santos Oliveira nasceu com 43 centímetros, pesando 1.935 quilogramas. “Eu estava sentindo muita dor antes do parto, mas com a ajuda da fisioterapia, as dores aliviaram bastante. Elas me acalmaram e me relaxaram. Após os exercícios feitos com as fisioterapeutas, em uns 20 minutos o bebê já nasceu com parto normal. Foi muito bom o atendimento”, disse.  

Já a paciente Elisa Siqueira de Moura, 19 anos, mãe pela segunda vez, conta que, no dia 19 de março, a bolsa com líquido amniótico estourou antes do tempo previsto. Por isso, precisou ser internada às pressas no HRSM. Mas graças ao atendimento recebido, foi possível prorrogar a data do nascimento, o que ajudar o bebê a ganhar mais peso ainda no ventre da mãe.  
 
“Eu fiquei desesperada, porque a gente espera que a bolsa estoure na hora certa. Fiquei preocupada, angustiada, mas a equipe, foi maravilhosa, conversou comigo, me explicou, disse que estava sendo acompanhada pelos melhores profissionais”, disse a paciente, que também recebeu orientação da equipe de fisioterapia por se tratar de uma gestação de alto risco.  
 
HISTÓRIA DO SERVIÇO - A gerente Multiprofissional do HRSM, Luciana Guimarães, conta que a oferta de fisioterapia no Centro Obstétrico (CO) não é obrigatória, apesar de existirem projetos de lei que tratem sobre o assunto. A ideia de criar o serviço no CO veio em março de 2020, quando foi necessário fechar serviços ambulatoriais por causa da pandemia da covid-19. “Surgiu a ideia de começar um projeto piloto e duas pessoas que trabalham no ambulatório foram atuar na Maternidade para coletar dados e começar esse trabalho, o que deu muito certo”, recorda.  

Segundo ela, hoje o projeto chamado Fisioterapia na Saúde da Mulher conta com um fluxo de acompanhamento que começa na admissão de pacientes no Centro Obstétrico, passa pela Maternidade e vai até após a alta hospitalar no Ambulatório.  

Dessa forma, há seis profissionais envolvidas atualmente, sendo três para o CO, que passará a ter sete com a nova contratação, duas para a maternidade de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, e uma no ambulatório com agendamentos para as mulheres que já receberam alta.  

Geisielli da Silva Cruz, uma das primeiras fisioterapeutas a iniciarem o projeto, explica como funciona o serviço na Maternidade. “Fazemos uma busca ativa para procurar as mães que mais precisam desse atendimento. Criamos um tratamento de forma individualizado de acordo com a necessidade, o que ajuda inclusive a diminuir o tempo de internação”, disse.  

“O HRSM é referência em alto risco gestacional e todos os profissionais são especializados, então, atuam oferecendo tratamento em casos como diabetes descompesada, eclampsia, partos prematuros, entre outras situações”, completou Priscila Lana Farias, fisioterapeuta em saúde da mulher e consultora em aleitamento materno, que também participa do projeto.  

Já a fisioterapeuta do Ambulatório, Giovanna Cassaro, destacou que, após a gestação, a mulher pode ter diversas intercorrências, sendo algumas delas causada pelo peso da barriga que gera pressão no assoalho pélvico. “Elas podem ter incontinência urinária, lacerações que podem gerar dor na relação sexual, e outras consequências do parto, então, a fisioterapia é muito importante para devolver a qualidade de vida dessas mulheres”, finalizou.  

DADOS – O HRSM realizou, apenas em fevereiro de 2022, 319 partos, sendo 171 normais e 148 cesáreos. Na Maternidade, as fisioterapeutas realizam, em média, 500 atendimentos por mês. No Ambulatório, são aproximadamente 20 atendimentos.
 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »