06/01/2019 às 07h26min - Atualizada em 06/01/2019 às 07h26min

FUNDO DE 2,5 BI DA ERA LULA DÁ PREJUÍZO DE 5 BILHÕES AO BRASIL

Notibras

O presidente Jair Bolsonaro tem um abacaxi azedo para descascar pela frente. São os frutos podres do Fundo da Amazônia. Criada no primeiro governo Lula, a carteira, uma verdadeira caixa preta, é administrada pelo BNDES.

São 2 bilhões 500 milhões de reais vindos da Noruega. O dinheiro não foi ‘dado’ pela coroa norueguesa, mas por empresários daquele país. Seria destinado a combater o desmatamento na Amazônia.

Seria. Ocorre que, ao longo dos anos, os recursos começaram a ser desviados por meio de ONG’s para outras regiões onde não brotam nem pedras.

Estima-se que mais de 40% dos recursos tenham seguido para prefeituras petistas na Bahia, Rio Grade do Norte e Ceará. São terras áridas nordestinas distantes alguns milhares de quilômetros da densa selva amazônica que receberam algo em torno de 1 bilhão de reais.As organizações não-governamentais beneficiadas com essa bolada atuam prioritariamente em cidades administradas pelo PT. E quando o município passa para um partido adversário, o dinheiro sai da conta.

A safadeza, porém, é ainda maior: os empresários que compõem o PIB norueguês não são lá verdadeiros amantes da natureza. A contrapartida custou caro ao Brasil.

Pela doação daqueles 2,5 bilhões, os mecenas de Oslo tiveram isenções fiscais autorizadas por Lula, para se instalarem no Pará e no Amazonas, de 7 bilhões 500 milhões de reais. Ou seja, o Brasil ficou ainda mais no vermelho. Abatida a diferença do que veio e do que vai sair, o rombo é de 5 bilhões de reais.

Enquanto isso, o desmatamento cresce. E o povo vai aguentando goela a baixo açaí com sal de bacalhau.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego