08/02/2017 às 07h22min - Atualizada em 08/02/2017 às 07h22min

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORALTSE absolve Filippelli, mas mantém Agnelo inelegível

Os dois haviam sido condenados pelo TRE-DF por propaganda irregular na campanha de 2014, quando tentavam a reeleição ao GDF

Metrópoles

O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) absolveu, na noite desta terça-feira (7/2), o ex-vice-governador do Distrito Federal Tadeu Filippelli (PMDB) de uma condenação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) em ação de propaganda irregular durante a campanha de 2014. No entanto, a pena do ex-governador Agnelo Queiroz (PT) à inelegibilidade foi mantida. Naquele ano, a dupla disputava a reeleição ao Palácio do Buriti.

 

Os ministros seguiram o voto do relator, Henrique Neves, que absolveu Filippelli de todas as imputações, mas afastou apenas a multa aplicada ao petista. A votação do plenário se deu por um recurso impetrado pela defesa do ex-vice-governador e foi unânime.


“Não há, no caso, como ser declarada a inelegibilidade do recorrente Nelson Tadeu Filippelli, em face da impossibilidade dele responder pelos atos praticados de responsabilidade do então governador”, disse o ministro Neves durante o voto.

 

Agnelo e Filippelli foram condenados à inelegibilidade por oito anos pelo TRE em outubro do ano passado. A Corte ainda aplicou multa de R$ 30 mil ao então governador e ao vice pelo uso indevido da logomarca do governo local no site “GDF Dia a Dia”, durante período eleitoral. Esta última condenação, segundo o TRE-DF, foi “em virtude do caráter reiterado da exposição do referido símbolo na internet”.

 

A ação julgada na noite desta terça-feira (7) foi proposta em 2014 pela coligação União e Força, dos então candidatos José Roberto Arruda (PR) e Jofran Frejat (PR). A denúncia é de que Agnelo e Filippelli fizeram propaganda irregular em sites do governo e na página oficial do GDF no Facebook. Na época em que a ação foi proposta, o TRE chegou a obrigar o governo a retirar do ar as páginas, preservando apenas as informações referentes a serviços.

 

Fora do Brasil, Filippelli disse ao Metrópoles que soube da notícia por mensagem de celular e que recebeu a absolvição “com muita alegria e feliz por ter a convicção de que os ministros entenderam que respeitei a legalidade.”

 

Até a publicação desta reportagem, Agnelo não foi localizado pela reportagem para comentar o caso.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Oportunidade_de_emprego